O que é uma startup?

 

Nas palavras de Steve Blank “é uma organização construída para encontrar um modelo de negócios repetível e escalável.” Na tradução livre: é a ação ou processo de colocar algo em movimento. No ambiente dos negócios, podemos traduzir como empresas, geralmente de tecnologia, emergentes ou iniciantes. Aquelas recém-criadas, e muitas delas ainda em fase de pesquisas e desenvolvimento.

 

De onde vem esse termo?

Tudo começou na era chamada de Bolha da Internet, ou bolha das empresas ponto com, entre 1996 e 2001, quando ocorreu uma forte alta nas ações das novas empresas de tecnologia da informação e comunicação. Foi naquela época que muitos empreendedores, repletos de ideias inovadoras, conseguiram financiar seus projetos e dar vida a novidades lucrativas e extremamente sustentáveis. E claro, a grande maioria delas nasceram no Vale do Silício, região da Califórnia considerada o point da inovação e do empreendedorismo. Apple, Facebook, Google, e outros gigantes começaram suas histórias de sucesso por lá.

 

E o que uma empresa precisa ter para ser considerada startup?

Quando falamos de inovação e tecnologia, muitas características podem ser citadas, porém, as principais são: proposta inovadora para o mercado, modelo de negócio escalável e um projeto com potencial para se transformar em negócio, além do baixo custo para iniciar os trabalhos.

 

Quais são os tipos de startups?

Quando falamos de tipos de negócios, podemos citar:

B2B (business to business): que atuam de empresa para empresa, sem falar diretamente com o público final.

B2C (business to consumer): trabalham com a linha empresa – consumidores (público-final).

B2B2C (business to business to consumer): aquelas empresas que trabalham para outras empresas, porém visando atingir o público final. O iFood é um bom exemplo desse modelo de negócio.

 

Quando classificamos em nichos, podemos considerar os ramos de atuação de cada startup: financeiro, saúde, alimentício, saúde, beleza, tecnologia, turismo, entre outros.

 

E quais são as principais características?

Além do seu modelo de negócio, o que diferencia uma startup das demais empresas do mercado é a sua capacidade de se mostrar viável (por conta da incerteza do seu modelo de negócio e do risco de uma novidade no mercado), ser repetível (a demanda precisa ser ilimitada e não correr o risco de deixar os consumidores na mão) e também de ser escalável (como já dito anteriormente, uma startup precisa ter a capacidade de crescer rapidamente, produzir em grande escala e atender o maior número de consumidores possível).

 

E o perfil dos profissionais de uma startup, qual é?

Por se tratar de um negócio de alto risco, os profissionais mais indicados são aqueles que estão abertos a mudanças, que gostam de desafios e que tenham o risco como estimulante. Além de, claro, ter o empreendedorismo na veia, saber controlar a inteligência emocional (capacidade para solucionar problemas, encontrar novos caminhos e assumir múltiplas responsabilidades), ser proativo, ter foco e a produtividade como maior meta.

 

Como ser o profissional certo para uma startup?

O LAIOB tem um programa específico para os profissionais que têm como objetivo ser um grande nome do mundo das startups, realizados no Vale do Silício, que têm como intuito apresentar as últimas tendências de gestão e tecnologia, mostrar como as melhores startups do mundo alcançaram o sucesso mundial, estudar cases com as empresas mais bem sucedidas do Vale do Silício, além de workshops, seminários e networking com especialistas de diversas áreas.

 

Quer ser saber mais? Quer ser um gigante do mundo das startups? Então clique aqui!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *