Como evitar os “time wasters” ao fazer as perguntas certas para eles

O maior bem que todos nós temos não é dinheiro – é o tempo. Na era digital de hoje, é muito fácil perder de vista o foco em nossos negócios ou objetivos de carreira, desperdiçando um tempo precioso em pessoas e atividades que não se alinham com nosso propósito maior. E, se você parar para pensar bem, conseguirá identificar centenas de coisas que deixou de colocar em prática somente para dar atenção a algo desnecessário ou pouco promissor.

A consequência disso é um eventual desânimo e a falta de produtividade. Mas não se sinta sozinho: praticamente todo mundo já teve que lidar com os famosos “time wasters” ou, em tradução aproximada, “aqueles que gastam nosso tempo”. Como é possível afastá-los de nossa vida? Bem, essa não é uma tarefa assim tão fácil. Porém, se você puder estabelecer um diálogo com eles e fazer as perguntas certas, poderá ser bem-sucedido na missão e ainda conseguirá colher bons frutos para si mesmo.

Ficou curioso e deseja desenvolver essa habilidade? Então este artigo é para você. Continue a leitura e saiba como atrair somente quem vale a pena para si e até mesmo para seu negócio.

O que são time wasters?

Em um ambiente corporativo, os time wasters são todas as atividades e tarefas que, se não receberem a devida atenção, podem demandar um tempo maior para caminhar até uma boa solução. A partir disso, elas acabam por se transformar em um problema enorme e muito mais complicado de resolver: você gasta seu tempo, sua saúde mental e até mesmo dinheiro nesse intervalo.

Mas “time wasters” é um termo que também se aplica às pessoas. Há quem rotule esse perfil como “vampiros mentais”, porque eles realmente sugam toda a sua energia a troco de nada. É um relacionamento sem nenhum ganho para você, porque você não consegue realizar uma troca justa, seja de conhecimento, aprendizado, informação ou convivência.

Sabe aquela reunião que você agendou, mas não conseguiu chegar a lugar nenhum com ela? Provavelmente isso aconteceu porque você se sentou com um time waster e falou sobre um assunto totalmente infrutífero. Ou porque, durante esse contato, não foi possível chegar a conclusão nenhuma, simplesmente porque você nem deveria estar ali: a alçada poderia se aplicar a outra pessoa, mais caiu sem querer sobre você.

Como identificar esse tipo de perfil?

Em algum momento, você provavelmente já experimentou um dos seguintes encontros:

  • Você é abordado no LinkedIn por uma pessoa aleatória, com quem você nunca se envolveu e que está pedindo 30 minutos do seu tempo para contar sobre sua empresa.
  • Você conhece alguém em uma conferência que diz: “Vamos colaborar ou encontrar uma maneira de trabalhar juntos.”
  • Você recebe um e-mail frio de alguém convidando você para ir almoçar porque ele deseja trocar alguma ideia.
  • Alguém entra em contato com você nas redes sociais e diz: “Eu adoraria conversar algum dia.”
  • Ou um dos mais populares, que é: “Quero ajudá-lo a ganhar mais seguidores e a expandir seus negócios!”

Na maioria dos casos, a pessoa do outro lado não está autenticamente procurando fazer negócios com você; ela provavelmente quer conhecer quem você conhece para sair no lucro, coletar insights sobre como administrar sua empresa ou vender essas informações embutidas em seus serviços. Raramente esses encontros casuais e reuniões representam algo significativo e não passam de uma xícara de café ou almoço grátis, que nada acrescentam a seu networking.

Como reverter a situação?

No entanto, através de redes, é possível encontrar um potencial cofundador para uma ideia, conseguir um novo emprego ou oportunidade de negócio, e obter uma indicação de cliente: só que isso normalmente não acontece imediatamente. Este é um processo gradativo, que leva tempo e pede paciência, além de muita atenção no processo de seleção e identificação de perfis.

A maneira mais eficaz pela qual você pode ser mais seletivo a respeito de quem você dedica seu tempo é fazer as perguntas certas com antecedência. Por exemplo, na próxima vez que alguém lhe enviar uma mensagem do LinkedIn ou um e-mail inesperado solicitando que você se reúna para um café ou entre em uma ligação, tente responder com:

  • “Diga-me, o que você quer conhecer?”
  • “Você pode me dizer mais sobre como posso ajudá-lo?”
  • “Eu adoraria aprender mais, você pode me dizer melhor o que você faz aqui e se isso é mesmo de meu interesse?”

Não há problema em recuar e pedir que uma reunião seja agendada para entender o contexto. Afinal, nem sempre as respostas que você receberá serão precisas e talvez você tenha que tirar uma ou outra dúvida sobre isso.

Que lição tirar de tudo isso?

Vivemos em uma era digital, onde as redes sociais e os recursos tecnológicos servem justamente para otimizar nosso tempo. É claro que, na maioria das vezes, consideramos seu uso apenas para ganhar dinheiro. Mas é preciso abrir a mente e ir além.

Essas ferramentas servem também para que você possa conhecer alguém mais a fundo, inclusive seus gostos, interesses pessoais, hobbies e empreendimentos profissionais. Com base nisso, fica mais fácil selecionar seus contatos e fugir dos time wasters. Seus relacionamentos serão muito mais autênticos, genuínos e, é claro, duradouros.

Não se esqueça de que existe uma linha tênue entre dar o seu tempo e protegê-lo para sua família, sua empresa e você mesmo. É impossível concordar em reunir-se pessoalmente com todos ou atender todas as chamadas sempre que alguém solicitar cinco minutos de seu tempo e ainda administrar um negócio de sucesso, e é por isso que perguntar antecipadamente por quê é a chave do sucesso.

Pense sobre esse fato: estamos em uma era digital em que uma conversa de mensagem direta pode ser tão significativa quanto atuar como alternativa a uma ligação telefônica. Poupe seu tempo, poupe sua energia e ensine essa lição também para quem procura por você para tudo – ou para nada.

E você, reconhece muitos time wasters em sua jornada diária? Como costuma lidar com eles? Concorda que, ao lhes fazer as perguntas certas, é possível afastá-los e levar uma vida pessoal e profissional mais leve e produtiva? Deixe um comentário abaixo com a sua opinião!

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *